Comemoração do mês do humorista começa com uma mulher vencendo o Festival de Mentiras

Monique Gonçalves, vencedora do 34° Festival de Mentiras

Chegou mais um mês de abril, e como no dia 12 será comemorado o Dia Nacional do Humorista, abril, tornou-se o Mês do Humorista. E pra começar, ontem, dia 1º, o Teatro Chico Anysio serviu de palco para a realização de mais um Festival de Mentiras, em homenagem ao famoso Cajueiro Botador (Cajueiro da Mentira). O evento, que costumeiramente acontece na Praça do Ferreira, local onde está fincado o dito pé de caju, desta feita foi realizado no TCA, devido ter caído num sábado. E lá, não rola fazer o evento quando calha acontecer em sábado e domingo, devido ao pouco fluxo de transeuntes nos fins de semanas.

Pela primeira vez na história do Festival de Mentiras, em 34 edições, uma mulher é escolhida como campeã. A proeza foi da atriz, produtora e maquiadora Monique Gonçalves, que após contar seu causo/mentira foi aclamada pelo público como sendo a que melhor se saiu.  O humorista Michel Padilha (Zé das Tapiocas), que já foi campeão várias vezes, desta vez ficou em 2º lugar. E Dermeval Pedrosa, ficou em 3°.

Os 3 campeões

Foram 10, os mentirosos inscritos:  

1 – João Mateus (Zé Bolão)

2 – Tom Leite

3 – Augusto Lima Mendes

4 – Don Aguedo (Pabeção)

5 – Rafael Leite

6 – Zé das Tapiocas

7 – Adrian Gabriel Gomes Brás

8 – Dermeval Pedrosa (Dema)

9 – Monique Gonçalves

10 – Edvaldo dos Santos Cardoso (Elvis Preto)

O resultado final foi o seguinte:

1ª Colocada – Monique Gonçalves

2º Colocado – Michel Padilha (Zé das Tapiocas)

3º Colocado – Dermeval Pedrosa (DEMA)

O prêmio foi pago “na hora”, em moeda corrente do Brasil. Total, líquido e sem desconto: R$ 1,75 assim distribuído:

                1º Colocado R$ 1,00

                2º Colocado R$ 0,50

                3º Colocado R$ 0,25

Além do montante em dinheiro, todos receberam  CERTIFICADO DE PARTICIPAÇÃO, sendo que nos dos 3 primeiros agraciados, a colocação foi mencionada.

            O humorista Zebrinha, organizador e apresentador do festival, convidou o Dr. Marcelo Gurgel para entregar a premiação. Marcelo é médico e escritor. Escreveu mais de 100 livros (isso é verdade). Cada um dos 3 primeiros colocados, recebeu um exemplar de um dos seus escritos, um livro de causos da medicina.

            A programação do mês do humorista tem apoio da Prefeitura de Fortaleza, através da SECULTFOR.  

História do Festival de Mentiras

            De 1904 a 1920, na Praça do Ferreira, debaixo do Cajueiro Botador (era assim chamado porque botava caju o ano todo – e isso é verdade), o Ceará assistiu a sua festa mais tradicional, popular e moleca que foi o Festival de Mentiras, realizado, é claro, no dia 1º de abril. Ali, intelectuais, artistas, bebuns e desocupados passavam o dia escrevendo e afixando papelotes no cajueiro, com todo tipo de mentiras e chacotas,  provocando a sociedade e os homens do poder.

            Em 1920, o Prefeito Godofredo Maciel, sentindo-se incomodado com a brincadeira, mandou derrubar o Cajueiro, acabando com a farra.

            Na última reforma da Praça do Ferreira, em 1991, foi plantado um novo cajueiro e colocado a seu lado uma placa que conta um pouco desta história.

            Em 2006, depois de 86 anos sem acontecer o evento, o Escritório do Riso/Museu do Humor Cearense retomou o Festival de Mentiras, realizando-o nos anos de 2006, 2007, 2008 e 2009 no Teatro Chico Anysio. Em 2010, o Festival voltou a ser realizado na Praça do Ferreira. Em 2020, não aconteceu o evento, devido a pandemia da COVID-19. Em 2021, ainda por conta da COVID, o Festival de Mentiras aconteceu de modo virtual, onde cada mentiroso enviou um vídeo contando sua potoca. Em 2022, o Festival voltou ao seu lugar de origem, e foi realizado debaixo do Cajueiro Botador. Agora, em 2023, abrindo a programação do Mês do Humorista, o XXXIV Festival de Mentiras foi realizado no Museu do Humor Cearense/Teatro Chico Anysio, abrindo a programação do mês do Humorista.

            Por que Abril é o Mês do Humorista?

            Porque dia 12 de Abril comemoramos o Dia Nacional do Humorista, aniversário de nascimento de Chico Anysio. Para isso, existem as seguintes Leis:

Lei Estadual nº 13.317 de 02/07/2003 (Ceará)

Lei Municipal nº 9518 de 23/10/2009 (Fortaleza)

Lei Federal nº 13.082 de 08/01/2015 (Brasil)

Uma vasta programação vai está acontecendo durante todo o mês de abril na cidade. Acompanhe nas redes sociais do Teatro Chico Anysio e Museu do Humor Cearense. Participe! E viva o Bom Humor Cearense!

Registro fotográfico do 34° Festival de Mentiras

Tom Leite – Humorista
Rafael Leite – Humorista
João Mateus – Humorista
Edvaldo Santos – Humorista
Don Aguedo – Humorista
Adrian Gabriel – Estudante
Augusto Lima Mendes
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 339058850_748350510085771_2531769975112670376_n-1024x771.jpg

Continuar leitura →

34° Festival de Mentiras dará Um Real em prêmio ao vencedor.

            Eita, que chegou a hora de você tirar o pé da liseira!

É que vem aí mais um Festival de Mentiras, o de número 34. Só que desta vez, o evento será realizado no Museu do Humor Cearense/Teatro Chico Anysio, e não na Praça do Ferreira, como costumeiramente acontece. O motivo da mudança de local é devido o 1° de abril ter caído num sábado; e sábado e domingo não rola fazer o evento no centro.

Para participar é muito simples: basta preparar uma boa mentira, pegar o microfone e soltar o verbo. As inscrições serão realizadas presencialmente, a partir das 19h, do próprio dia da mentira, no Teatro Chico Anysio. De graça. O Festival começará as 20h.

            Quem escolherá o Maior Mentiroso do Ano será o público, através de aplausos, vaias, gritos, gemidos, estalos de dedos, assobios ou outra manifestação qualquer de apoio ao seu potoqueiro preferido. A premiação totaliza um montante de R$ 1,75 (Um Real e Setenta e Cinco Centavos), assim distribuída:

            1º Colocado R$ 1,00

            2º Colocado R$ 0,50

            3º Colocado R$ 0,25

O prêmio será pago na hora, em espécie, em moeda corrente do Brasil, sob forte esquema de segurança.

Além da premiação em dinheiro, todos os participantes receberão um CERTIFICADO DE PARTICIPAÇÃO.

            A realização do Festival é do Museu do Humor Cearense em parceria com o Museu do Caju, e tem apoio da Prefeitura de Fortaleza, através da SECULTFOR, Secretaria Municipal da Cultura de Fortaleza.

História do Festival de Mentiras

            De 1904 a 1920, na Praça do Ferreira, debaixo do Cajueiro Botador (era assim chamado porque botava caju o ano todo – e isso é verdade), o Ceará assistiu a sua festa mais tradicional, popular e moleca que foi o Festival de Mentiras, realizado, é claro, no dia 1º de abril. Ali, intelectuais, artistas, bebuns e desocupados passavam o dia escrevendo e afixando papelotes no cajueiro, com todo tipo de mentiras e chacotas,  provocando a sociedade e os homens do poder.

            Em 1920, o Prefeito Godofredo Maciel, sentindo-se incomodado com a brincadeira, mandou derrubar o Cajueiro, acabando com a farra.

            Na última reforma da Praça do Ferreira, em 1991, foi plantado um novo cajueiro e colocado a seu lado uma placa que conta um pouco desta história.

            Em 2006, depois de 86 anos sem acontecer o evento, o Escritório do Riso/Museu do Humor Cearense retomou o Festival de Mentiras, realizando-o nos anos de 2006, 2007, 2008 e 2009 no Teatro Chico Anysio. Em 2010, o Festival voltou a ser realizado na Praça do Ferreira. Em 2020, não aconteceu o evento, devido a pandemia da COVID-19. Em 2021, ainda por conta da COVID, o Festival de Mentiras aconteceu de modo virtual, onde cada mentiroso enviou um vídeo contando sua potoca. Em 2022, o Festival voltou ao seu lugar de origem, e foi realizado debaixo do Cajueiro Botador. Agora, em 2023, abrindo a programação do Mês do Humorista, o XXXIV Festival de Mentiras será realizado no Museu do Humor Cearense/Teatro Chico Anysio.

            Por que Abril é o Mês do Humorista?

            Porque dia 12 de Abril comemoramos o Dia Nacional do Humorista, aniversário de nascimento de Chico Anysio. Para isso existem as seguintes Leis:

Lei Estadual nº 13.317 de 02/07/2003 (Ceará)

Lei Municipal nº 9518 de 23/10/2009 (Fortaleza)

Lei Federal nº 13.082 de 08/01/2015 (Brasil)

SERVIÇO

34º Festival de Mentiras

Dia: 1º de abril de 2023

Horário: 20h

Local: Museu do Humor Cearense/Teatro Chico Anysio

Av. da Universidade, 2175 – Benfica – Fortaleza-Ceará

Informações: 3252 3741   –  9991 0460  (Jader Soares)

Entrada: De graça

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 110563-400x600-1.jpeg
Pantaleão, o personagem mentiroso de Chico Anysio

Continuar leitura →

Dia do Humorista chega à sua 20ª Edição em 2023

        

Chico Anysio com seu primeiro personagem: Prof. Raimundo

Um evento que chega à sua 20ª edição, não é de brincadeira não! Pois é! Tendo a sua primeira edição acontecida em 2004, a comemoração do Dia do Humorista, que se estende por todo o mês de abril, mais uma vez será realizada com uma vasta programação nos 4 cantos da cidade. E tudo de graça, pra todo mundo ver, curtir e viver de rir!

         O Projeto acontecerá de 1º a 28 de abril no Teatro Chico Anysio, Museu do Humor Cearense e em 4 CUCAS, onde mais de  40 humoristas se apresentarão. A programação será aberta com a realização do XXXIV Festival de Mentiras, que dará Um Real em prêmio ao primeiro colocado. Este ano, o Festival que costumeiramente acontece na Praça do Ferreira, debaixo do Cajueiro da Mentira, acontecerá no Teatro Chico Anysio. Concluindo a programação, teremos a comemoração do Dia da Sogra que ocorrerá no dia 28.

         Além dos Shows de Humor, teremos também a Exposição: “Dia do Humorista – 20 Anos de Bom Humor”, onde um vasto acervo do humor cearense será mostrado; além de peças exclusivas do acervo pessoal do nosso grande homenageado, Chico Anysio.

12 de abril será o ponto alto. Pois, foi nesta data, no ano de 1931 que veio ao mundo, na cidade de Maranguape, Chico Anysio, o maior humorista brasileiro. E, nesta edição de número 20, o show do dia 12 será no Teatro, que leva o nome do artista: Teatro Chico Anysio, em Fortaleza. Pelo menos 40 humoristas se apresentarão, num espetáculo que começará as 16h, indo até as 20h.

E a entrada? Se você não sabia, fique sabendo: A ENTRADA será de GRAÇA! Isso é uma maneira de agradecer e presentear ao público tão generoso com nossos artistas do riso, oportunizando a muitos que não tem condições de pagar um ingresso para ver um espetáculo, assistir a shows variados.

  O evento, que está dentro da programação do aniversário de 297 anos da cidade de Fortaleza, tem apoio da SECULTFOR.

A criação da data foi iniciativa dos humoristas cearenses. Existe Lei municipal (Fortaleza), estadual (Ceará) e nacional (Brasil); todas referindo-se ao 12 de abril como Dia do Humorista.

Alguns dos Humoristas que participarão dos shows:

Superedson, Luan Damasceno, Lezadim, Elvis Preto, Sparguet, Veia Cômica, Zebrinha, Megdal, Delegado, Zé Bolão, Colorau, Ronaldo, Marmita, Tom Leite, Francisquinha, Rosinete, Esquema, Mexerico, Oscabrito, Manguaça, Paçoca, Fubá, Pepeta, Chocolate, Cibalena, David Moraes, Rafael Leite, Isaias Lourenço, Zeca Estrada, Leide Daiana, Froxilda Fofolete, Aloisio Junior, Luiz Neto, Eri Soares, Oscabrito,  Gil Soares, Titela, Severina Guet,  Zé das Tapiocas, Seu Sérgio e Motoka.

PROGRAMAÇÃO – DE 1° A 28 DE ABRIL DE 2023

Dia 1° (Sábado)

XXXIV Festival de Mentiras

Local: Teatro Chico Anysio

20h

Dia 12 (Quarta)

Abertura da Exposição

“Dia do Humorista – 20 anos – Homenagem a Chico Anysio”

Local: Museu do Humor Cearense

15h

Show com 40 Humoristas

Local: Teatro Chico Anysio

16h

Dia 13 (Quinta)

Show com 4 humoristas

Local: CUCA da Barra

16h

Dia 14 (Sexta)

Show com 4 humoristas

Local: CUCA do José Walter

16h

Dia 18 (Terça)

Show com 4 humoristas

Local: CUCA Jangurussu

16h

Dia 19 (Quarta)

Show com 4 humoristas

Local: CUCA Mondubim (Chico Anysio)

16h

Dia 28 (Dia da Sogra)

Show de Encerramento com 10 Humoristas

Local: Teatro Chico Anysio

20h

SERVIÇO:

Mês do Humorista

Entrada: De graça!

Informações:

Museu do Humor Cearense/Teatro Chico Anysio

Jader  Soares (85) 999 91 0460

Continuar leitura →

SECULTFOR reúne-se com humoristas para tratar da Lei Paulo Gustavo

Representante da SECULTFOR, Dr. Emanuel Abrante, ouvido Ernesto Martins, Presidente do FOCHUM

Noite de ontem, 9 de janeiro, as 19:30h, aconteceu no Teatro Chico Anysio, um encontro de humoristas cearenses com a SECULTFOR – Secretaria de Cultura de Fortaleza, que foi representada pelo advogado Emanuel Abrante, do Setor Jurídico.

A SECULTFOR está fazendo estes encontros com as linguagens culturais para falar sobre a Lei Paulo Gustavo, que será implementada durante este ano de 2023, com data ainda não definida. A referida Lei absorverá projetos do setor cultural nos moldes do que aconteceu com a Lei Aldir Blanc, tendo, da mesma forma, recursos federais para arte, via secretarias de cultura dos municípios e estados. O total do recurso a ser destinado, através da SECULTFOR será de 26 milhões; isso, para todas as categorias. O valor destinado a cada uma, ainda será definido. O que já está definido é que o Audiovisual ficará com 80% deste total, restando 20% para as outras linguagens.

Dr. Emanuel falou de forma geral sobre a Lei, e da construção dos Editais, que serão elaborados em conjunto com as categorias. Respondeu a questionamentos feitos pelos artistas, e novo encontro ficou para ser realizado em breve, também no Teatro Chico Anysio.

Dentre os humoristas presentes, podemos citar: Jader Soares (Presidente da ASSO-H), Veia Cômica (Representante do Humor nos Conselhos Municipal e Estadual da Cultura e Presidente do FOCHUM), Zeca Estrada, Cristiano Cunha, Delegado, Zé Bolão, Esparguete, Colorau, Ronaldo, Luiz Pupunha, Glauber Severina e Lucivan. No total, 25 pessoas compareceram.

Este encontro foi uma ação do FOCHUM (Fórum Cearense de Humor) e ASSO-H (Associação dos Humoristas Cearense).

Foto final
Arte de divulgação do encontro dos humoristas com a SECULTFOR

Continuar leitura →

Carta para minha mãe

Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 2022

Dona Raimundinha Mendes Soares, minha mãe

Dona Raimundinha, minha mãe,

Sua bênção!

Tá tudo bem por aí?

Preparo-me neste derradeiro dia de 2022 para lhe escrever esta carta. Aliás, prática fora de moda nestes tempos modernos. Mas, como eu sei que a senhora sempre adorou receber cartas dos filhos, que se jogaram mundo afora em busca de sobrevivência, cá estou, cumprindo esta saudável missão, com o coração cheio de carinho e afeto.

Pra começar, meus parabéns pelos seus 100 anos, que estamos comemorando hoje. Destes, 94 entre nós; já que, há seis, a senhora foi comemorar com o papai e nossos outros irmãos, aí no céu.

Nestes últimos dias de dezembro, desde o dia 20, aniversário do papai (que faria 104), nós, seus filhos, num grupo de Whatsapp que temos, rimos e nos emocionamos muito, falando sobre a senhora e o seu Gerardo Soares. A tia Toinha, sua irmã, também tá neste grupo.

Dona Raimundinha, a senhora é uma graça!  E mesmo depois de sua partida, ainda estamos descobrindo coisas que a senhora aprontou por aqui. Por isso, nada de reclamar que tô escrevendo com dois dias de atraso… Sempre comemoramos seu aniversário no dia 29 e não no dia 31 de dezembro. Eu sei disso! O que eu não sabia era que a data correta é 31 e não 29; já que a senhora, por conta própria, mudou o dia do seu nascimento, devido achar que o último dia do ano é muito concorrido em festividade, e por conta disso, seu aniversário poderia “passar batido”… Essa foi boa! E, achando pouco, mudou também o ano: de 1922 para 1924. Portanto, hoje comemoramos o seu centenário e não 98 anos.

“É uma prosa, Guinã!”, diria a senhora.

Tem mais! Também diminuiu 2 anos na idade do seu irmão, o Tio Neco, que ficou uma fera ao só poder se aposentar com 2 anos de atraso. Estes esclarecimentos de datas foram feitos pelo Rômulo. Ele os ouviu da vovó.

Durante o mês de dezembro, e perto do dia das mães, há uma energia maravilhosa que circula entre nós. O Chico acabou de sonhar com a senhora. O Rômulo, também! Sabemos que estes sonhos são visitas. Eu mesmo já os tive várias vezes. Nós adoramos reencontrá-la em sonho!

O Wellington postou uma foto do Ari, entre a senhora e a Nini!

…Olhe aí a poesia que o Antônio José fez para senhora:

Vejo mamãe na calçada

Toda arrumada e bonita

Sinto mamãe abraçada

Me fazendo uma visita.

Minha mãezinha adorada 

Como um filme desta fita

Olho o passo da jornada

Mamãe alegre ou aflita

Será sempre celebrada

Por esta data bendita.

Poesia é a nossa praia! Em todas as comemorações de Dia das Mães nas escolas que estudávamos, lá estavam os filhos da Dona Raimundinha, emocionando o público com belos poemas, principalmente do poeta Giuseppe Ghiaroni.  Eu e o Antônio José aprendemos a recitar com a Nini, o Wellington e o Chico. Eles aprenderam não sei com quem!

Emoção é uma palavra ímpar!

Passei por uma!!! Vamos lá! A senhora partiu no dia 6 de março de 2016 em Fortaleza. Fomos à Massapê para nos despedirmos. Isso, já no dia 7. Após a despedida, voltamos à Fortaleza. Dia 8 (Dia da Mulher), eu tinha um show agendado, pela manhã em homenagem às mulheres na sede do DETRAN. Um pouco antes de começar a apresentação, eu já estando no auditório, vi na primeira fila uma pessoa uma pessoa que achei parecida com alguém de Massapê. E era! Perguntei:

– Você é de Massapê, né?!

Ela afirmou com a cabeça, e falou:

– Eu soube da sua mãe!

Eita, dona Raimundinha, não foi mole não! Danei-me a chorar. Ainda, ensaiei explicar ao público o motivo do choro, mas pedi para fazê-lo só após a apresentação. Pois, se eu o fizesse antes, não haveria condições emocionais de atuar.

Show terminado, esclareci o motivo do choro! E, naturalmente, comecei a chorar de novo!

… E por que não pedi para um colega me substituir? Este show foi contratado por uma senhora que era Ouvidora Geral do Estado do Ceará. Eu já tinha feito um para ela, e ela disse ter gostado muito. Fiquei com medo de mandar alguém no meu lugar, e, em vez de levar alegria, comprometer meu nome com o conteúdo apresentado. Coisa que, aliás, ela tinha muita preocupação. Também, achei que aquelas pessoas não tinham que saber do meu sofrimento pessoal… Mas, souberam. Ao terminar, ela me elogiou muito, e falou do meu profissionalismo e tal…

Saí feliz… e choroso! Pois, naquele Dia da Mulher; eu que tinha acabado de perder a mulher mais importante da minha vida, estava ali, sorrindo e fazendo sorrir, como se nada estivesse acontecido. Se não fora a interferência da minha conterrânea, o show teria acontecido dentro da normalidade; pra elas, é claro!

EM TEMPO! A pessoa que encontrei foi a Alja, filha do seu Coraci!

Esta situação me faz lembrar um soneto do Pe. Antônio Tomás, que sei de cor, e divido aqui com vocês:

O PALHAÇO

Padre Antônio Tomás  

Ontem, viu-se-lhe em casa a esposa morta

E a filhinha mais nova, tão doente!

Hoje, o empresário vai bater-lhe à porta,

Que a plateia o reclama, impaciente.

Ao palco, em breve surge… pouco importa

O seu pesar àquela estranha gente…

E ao som das ovações que os ares corta,

Trejeita, canta e ri, nervosamente.

Aos aplausos da turba, ele trabalha

Para esconder no manto em que se embuça

A cruciante angústia que o retalha.

No entanto, a dor cruel mais se lhe aguça

E enquanto o lábio trêmulo gargalha,

Dentro do peito o coração soluça.

Mas, a senhora, minha mãe, sempre foi e continuará sendo, sinônimo de alegria. Foi da senhora, que herdamos o bom humor.

A Socorrinha, sua filha, me contou esta história, a seguir! Vê se a senhora lembra(?)  Foi numa de suas idas ao médico, e ele disse que a senhora deveria perder uns 10 quilos, devido aos problemas de dores nas pernas, que sentia. Sem pestanejar, olhando na cara do doutor, que tinha o corpo meio avantajado, a senhora falou:

– E o senhor, 20!

O Gerardim pergunta-nos:

 – Vocês sabem da viagem dela ao Estreito, onde um sujeito achou que ela tava velha(?)

E continua:

– Chegando lá, com o carro que o Chico deu, com motorista etc, toda arrumada, abafando, como se diz; aí, um cabra inconveniente, chegou bem perto dela e disparou:

– Vixe! a senhora é a mulher do Sargento Gerardo?

 Ao responder que sim, o sujeito arrematou:

– A senhora tá muito acabada!

Ao que ela retrucou:

– E eu, que pensei que o senhor já tivesse era morrido!

Teríamos muitas histórias pra contar, rir e emocionar; mas vou ficando por aqui!

Agora, ouvindo músicas do Roberto Carlos, que a senhora tanto gostava, despeço-me.

            Diga ao papai e aos nossos irmãos que estamos todos bem.

            Socorrinha (a daqui de casa), Jadim e Rafa mandam beijos!

            Sua bênção, minha mãe!

            E parabéns!

            Te amo!

            Ps.: Tô no Rio, na casa do Jadim. Ele tá morando aqui. Depois lhe falo!

Jader

Continuar leitura →

“Zé da Diva”, o livro do Juracy Mendonça

               

O livro do Juracy

Disso ninguém tem dúvida: Zé da Diva é a figura mais popular e querida do Parque Araxá, bairro fincado em Fortaleza, entre Parquelândia, Rodolfo Teófilo, São Gerardo e Benfica. Agora, o bicho tá todo importante. Isso, graças ao livro lançado domingo passado, dia 27 de novembro de 2022 pelo jornalista Juracy Mendonça. Título: “Zé da Diva – 25 anos de presepadas”. Pois é! Um quarto de século botando boneco e fazendo estripulia, tendo como cenário, na maioria dos causos, os bairros acima citados.

                Juracy nasceu no Pirambu, mas, tem mais da metade da vida vivida no Parque Araxá. Todo mundo do bairro o conhece. Zé da Diva nasceu no interior do Ceará, mas nunca se soube realmente qual cidade o pariu. Chegou em Fortaleza ainda meninote, e afirma, batendo nos peitos, que é mais conhecido e famoso  que Juracy. O certo, é que um não vive sem o outro. Este é o criador, àquele, a criatura. Isso mesmo! Zé da Diva é um personagem criado por Juracy Mendonça em 1997, ano de fundação do seu Jornal Parque Araxá-JPA. Desde o primeiro número, Zé da Diva é uma das colunas mais lidas do JPA. E não podia ser diferente, Zé é cheio   graça, mungangos e sacadas maravilhosas. O bicho é fresco!

                O lançamento do livro deu-se no Casa Nossa, antigo Clube Tiradentes, no Parque Araxá, claro! Mais de duzentas pessoas compareceram ao evento, que começou ao meio-dia, acompanhado de boa música, comandada pelo maestro Conrado Dieb, e uma suculenta feijoada. Falaram, além de Juracy, o vereador Michel Lins e o humorista Jader Soares, que apresentou a obra.

                O autor teve uma brilhante sacada: pegou piadas de domínio público e usou o Zé da Diva como cabide, ou seja, pendurou as piadas nele, adequando ao seu tempo e espaço. Aliás, isso é muito comum acontecer. Dos causos contados sobre o famoso Seu Lunga, do Cariri, por exemplo, pouquíssimos, realmente, aconteceram com ele. De Quintino Cunha, digo a mesma coisa. Então, Juracy foi certeiro em pegar este mote.

Que bom, se outras pessoas, nos mais diversos bairros de Fortaleza, também juntassem um elenco de piadas e pendurassem num personagem qualquer, editando um livro. Afinal, somos ou não somos a Capital do Humor? Sei que não precisaria dizer, mas, ao mesmo tempo, não custa nada lembrar… né não? Fica a dica!

O exemplar por nós adquirido, fará parte do acervo da Biblioteca Professor Raimundo (Museu do Humor Cearense), que tem mais de 3 mil livros específicos de humor.

Se você ainda não tem o livro, procure! Você vai morrer de rir!

Ao Juracy, que completou 6.5 no dia do lançamento do livro, deixo aqui meus parabéns!

E viva o bom humor cearense!

P.S.:

Para ilustrar a perspicácia do Zé da Diva, segue uma das mais de 200 piadas que tem no livro:

DEFUNTO SE MEXENDO

                Zé da Diva, durante uma bebedeira, perguntou aos amigos que estavam ao seu redor:

                – No dia em que vocês morrerem, no velório, quando vocês estiverem dentro do caixão, o que queriam ouvir dos parentes e amigos?

                Chico Cotôco afirmou:

                – Eu queria ouvir alguém dizendo: Chico Cotôco era um cidadão honesto, bom pai, bom marido…

                Anacleto acrescentou:

                – Queria que dissessem: Anacleto era um sujeito legal, que não fazia mal a ninguém…

                Aí Zé da Diva, rebateu:

                – Pois no meu velório, eu queria que alguém dissesse: Olha, o defunto tá se mexendo!

Juracy Mendonça e Jader Soares

Continuar leitura →

Há 75 anos Chico Anysio estreava no rádio

Por Jader Soares

Chico Anysio

Foi no dia 7 de setembro de 1947 que Chico Anysio estreou como artista. Tinha 16 anos, cara de 12; isso, sendo muito otimista. O menino era miúdo, esquelético e o pé que era um chibata! De cima à baixo formava um “L” como ele mesmo dizia. Chico achava que tinha talento para fazer graça. Mostrava seu potencial em casa para a família e também para os amigos do futebol. Era doido por bola! Em casa, a irmã Lilian dava uma corda danada para ele se inscrever num programa de calouros. O pessoal do futebol, idem!

Então pronto! Fez a inscrição no Programa Papel Carbono, de Renato Murce, na Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Preparou um número com 32 imitações de vozes de gente famosa da época, e mandou ver! Fez bonito! Tirou o primeiro lugar.

Contando assim parece ter sido tarefa simples, mas não foi! Na ocasião, o menino suava, e tremia mais do que vara verde. Quando falava sobre este dia, sempre dizia que sua estreia “foi uma parada”, referindo-se ao 7 de setembro.

O interessante é que calhou de 7 de setembro ser um dia importantíssimo para o rádio brasileiro. Foi exatamente nesta data do ano de 1922, aniversário de 100 anos do Grito do Ipiranga, que o rádio fez sua primeira transmissão no Brasil, do alto do corcovado, no Rio de Janeiro. Hoje, 7 de setembro de 2022, data do bicentenário da Independência, o rádio também está sendo comemorado, e, apesar da TV e da Internet, ele continua vivo. Aliás, mais vivo do que nunca!

Será que no céu tem rádio? Se tem, com certeza, hoje, no horário nobre, tem um programa especial sobre os 75 anos da estreia de Chico Anysio.

Chico e rádio, rádio e Chico, uma mistura que deu certo!

Continuar leitura →

Escrever todo dia, é possível?

Jader Soares e sua máquina de escrever
Jader Soares e sua máquina de escrever

… Depende!

                Se o camarada é jornalista isto é a coisa mais comum que existe. Aliás, neste caso, o difícil é acontecer o contrário. Ter a obrigação de entregar uma matéria ou um artigo para o próximo  jornal, revista ou blog é sinônimo de pão na mesa. E que arte, é a arte de escrever! Repare que a frase dita é uma afirmação, não uma pergunta.

                Botar palavras no papel é desenhar numa tela virgem.

                As palavras estão aí, que nem pincel e tinta, só que (cuidado com a cacofonia) poucos sabem pintar. E muitos dos que pintam não entendem patavina sobre a harmonia das cores.

                Quem sabe escrever e não escreve, deixa de registrar ideias que se perdem… Aliás: para onde vão as ideias que temos e não escrevemos ou contamos para alguém? Será que se acumulam no inconsciente coletivo? Eu não sei!  Só sei de uma coisa: a partir de hoje, 26 de agosto de 2022, escreverei todo dia! Isso é uma promessa! Não significa dizer que cumprirei o que tô dizendo; ainda mais que, por coincidência o Horário Político Gratuito no Rádio e na Televisão, começou hoje!

                Mero acaso!

                Vou escrever todo dia!

                Eu prometo!

Continuar leitura →

Dia do Humorista será comemorado no Cine Teatro São Luiz

Chico Anysio

Eita, que chegou abril!

E quando o mês de abril dá as caras, o cearense já sabe que é chegada a hora de abrir caminho para àquele sorrisão; afinal, abril é o Mês do Humorista. E, por conta disso, comediantes cearenses se reúnem mais uma vez para comemorar o DIA NACIONAL DO HUMORISTA. O local escolhido para a festa do riso é o palco do belo CINETEATRO SÃO LUIZ, localizado, na Praça do Ferreira, bem no coração da cidade.

12 de abril é a data exata. Pois, foi no dia 12 de abril de 1931 que veio ao mundo, na cidade de Maranguape, uma criança magrinha, pequenininha, sobre a qual o pai, Coronel Oliveira, falou: “Este aí num vinga!” Mas vingou! Vingou e tornou-se o maior humorista brasileiro. E a homenagem é toda para ele!

Chico faleceu no dia 23 de março de 2012, há exatos 10 anos.

E a entrada? Se você não sabia, fique sabendo: A ENTRADA será de GRAÇA! Uma maneira de agradecer e presentear ao público tão generoso com nossos artistas do riso, oportunizando a muitos que não tem condições de pagar um ingresso para ver um espetáculo, assistir a shows variados.

A data foi idealizada por iniciativa dos humoristas cearenses. Existe Lei municipal (Fortaleza), estadual (Ceará) e nacional (Brasil). O Dia do Humorista é comemorado desde o ano de 2004, sempre com um grande show, envolvendo pelo menos 40 humoristas.

O evento, que está dentro da programação do aniversário de 296 anos da cidade de Fortaleza, nossa bela capital, tem apoio da SECULTFOR e SECULT-CE.

            Diante do atual quadro de Pandemia da COVID-19, adiantamos que seguiremos todos os protocolos e instruções das autoridades sanitárias do estado do Ceará na data de realização do evento.

EXPOSIÇÃO 

Segunda-feira, dia 11 de abril, as 19h, dentro da programação comemorativa ao Mês do Humorista, o Museu do Humor Cearense abrirá suas portas para mais uma homenagem a Chico Anysio. Será a  EXPOSIÇÃO 10 ANOS DE SAUDADE, indicando o tempo já passando sem a presença do humorista  no plano terreno.

            A Exposição ficará em cartaz até dia 28 de abril, Dia da Sogra, onde haverá também o show de encerramento das comemorações do Mês, no Teatro Chico Anysio. Na ocasião, humoristas contarão invariavelmente, piadas de sogra.

Alguns dos Humoristas confirmados

Titela, Severina Guet, Superedson, Luan Damasceno, Lezadim, Elvis Preto, Sparguet, Veia Cômica, Zebrinha, Megdal, Delegado, Zé Bolão, Colorau, Ronaldo, Marmita, Tom Leite, Francisquinha, Rosinete, Esquema, Mexerico, Oscabrito, Manguaça, Paçoca, Fubá, Pepeta, Chocolate, Cibalena, David Moraes, Rafael Leite, Isaias Lourenço, Zeca Estrada, Leide Daiana, Froxilda Fofolete, Aloisio Junior, Luiz Neto, Eri Soares, Oscabrito,  Gil Soares, Zé das Tapiocas, Seu Sérgio e Motoka.

SERVIÇO:

Dia Nacional do Humorista

Data: 12 de abril de 2022

Duração: 4 horas

Classificação Indicativa: 10 anos

Horário: de 16h às 20h

Entrada: De graça!

Informações:

Museu do Humor Cearense/Teatro Chico Anysio

Jader  Soares (85) 999 91 0460

Continuar leitura →

Morador da Praça do Ferreira ganha Festival de Mentiras

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 277739885_4213125552123691_2231218326116748988_n-768x1024.jpg
Antônio Geílson, campeão do 33° Festival de Mentiras

Anualmente, dia 1º de abril, acontece em Fortaleza o Festival de Mentiras, debaixo do Cajueiro Botador (Cajueiro da Mentira), na Praça do Ferreira, rememorando a história dos potoqueiros das antigas. Este ano, o evento voltou a ser presencial; já que ano passado, devido a pandemia da COVID-19, o mesmo aconteceu no formato virtual, e em 2020, sequer aconteceu.

Apresentador Silvino Neves ficou em 2° Lugar
Zé das Tapiocas ficou em 3° Lugar

O grande vencedor do 33º Festival de Mentiras foi o filho de Ocara, Antônio Geílson. O vencedor botou no bolso nada mais e nada menos que 1 Real. Isso mesmo: 1 Real. Em 2° Lugar ficou o folclorista e locutor de rádio e Televisão Silvino Neves, que faturou 50 Centavos. E em 3°, Zé das Tapiocas. Tapiocas já foi campeão 4 vezes; ou seja, já embolsou 4 Reais, que, somando-se aos 25 centavos que recebeu pela terceira colocação deste ano, soma um total de R$ 4,25.

Quando os organizadores estavam estendendo o banner de fundo de palco com a divulgação do 33° Festival de Mentiras, Antônio Geílson, um camarada que aparenta 30 anos de sofrida idade, sorriu um riso necessário, já que, sendo morador em situação de rua, estabelecido ali mesmo na Praça do Ferreira, talvez não tenha muito motivo para sorrir… Mas, sorriu, e falou: “Rapaz, tem 3 messes que cheguei por aqui… mas, este negócio de 1 Real de prêmio é muita gaiatice! Eu vou participar!” Participou e ganhou. Enquanto participava, esqueceu de tudo, inclusive que era morador de rua, e participou de forma intensa de todo o desenrolar do Festival. Deu até entrevista para duas emissoras presentes ao evento: TV Ceará e TV União, e, de quebra, ainda foi caricaturado por Jaílson, artista presente ao evento e que deu um brilho especial ao Festival, fazendo uma caricatura a cada 5 minutos! Antônio Geílson teve seu dia de glória!

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 277590607_4213125358790377_106787217455889163_n-1024x683.jpg
o campeão caricaturado e dando entrevista para TV União

Este ano, como inovação, a organização do evento além de pagar prêmios no total de $ 1,75, também CERTIFICADO a cada mentiroso participante. No Certificado, além do Cajueiro da Mentira, também esta estampado o Troféu Pantaleão, personagem loroteiro de Chico Anysio.                             

15 mentirosos se inscreveram e participaram do Festival: Ronaldo Cornélio, Silvia Sapo, Glauber Pinheiro, Silvino Neves, Rafael Leite, Antônio Gleilson, Gainete Neto, Rubens Brito, Francisco Helton da Silva, Zé das Tapiocas, João Mateus, Tom Leite, José Alberto da Costa, Claudemir Silva e Raimundo Neves.

A organização foi do Escritório do Riso, Museu do Humor Cearense e Museu do Caju. O humorista Zebrinha comandou a festa!

O Festival de Mentiras abriu a programação das comemorações do Dia do Humorista. Mas aí, é outra história…

SERVIÇO:

33º FESTIVAL DE MENTIRAS

LOCAL: Praça do Ferreira

Horário: 17h

Informações: 85 999 91 0460 (Jader Soares Zebrinha) 

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 277569499_4213126315456948_3225360687488040099_n-1024x768.jpg
Zebrinha, apresentador do evento

Continuar leitura →

Festival de Mentiras vai dar 1 Real em prêmio!

Início » Arquivos para Zebrinha

Anualmente, dia 1º de abril, acontece em Fortaleza o Festival de Mentiras, debaixo do Cajueiro Botador (Cajueiro da Mentira), na Praça do Ferreira, rememorando a história dos potoqueiros das antigas. Este ano, o evento volta a ser presencial; já que ano passado, devido a pandemia da COVID-19, o mesmo aconteceu no formato virtual.

Não precisa correr! As inscrições acontecerão uma hora antes do Festival, de baixo do pé de caju.

Este ano, como inovação, a organização do evento vai dar um CERTIFICADO a cada mentiroso participante. No Certificado, além do Cajueiro da Mentira, também esta estampado o Troféu Pantaleão, personagem loroteiro de Chico Anysio. Também teremos prêmio em dinheiro para os 3 primeiros colocados. Aliás, um prêmio fenomenal, totalizando Um Real e Setenta e Cinco Centavos em moeda corrente do Brasil, assim distribuído:            

1º Colocado R$ 1,00          

 2º Colocado R$ 0,50          

  3º Colocado R$ 0,25            

O prêmio será pago na hora, sob forte esquema de segurança.           

Qualquer pessoa poderá disputar; menos, quem for candidato nas eleições deste ano.

Para participar, basta preparar uma boa mentira, pegar o microfone e soltar o verbo.            

Quem vai escolher o Maior Mentiroso do Ano será o público, através de aplausos, vaias, gritos, gemidos, estalos de dedos, assobios ou outra manifestação qualquer de apoio ao seu mentiroso preferido.   

A organização é do Escritório do Riso, Museu do Humor Cearense e Museu do Caju.

O Festival de Mentiras abre a programação das comemorações do Dia do Humorista. Mas aí, é outra história…

SERVIÇO:

33º FESTIVAL DE MENTIRAS

LOCAL: Praça do Ferreira

Horário: 17h

Informações: 85 999 91 0460 (Jader Soares Zebrinha) 

Continuar leitura →

Chico morreu na hora certa!

Humorista Chico Anysio

Por Jader Soares – Humorista

Existe hora certa para alguém partir desta para a “melhor”? Uns dizem que sim, outros, que não! Mas, quem somos nós para entender os desígnios da sorte ou da morte?

O ser humano nasce para permanecer na terra por um período médio de 75 anos. Mas tem uns que ultrapassam os 100. Já outros não chegam a fase adulta. E por aí vai! O certo é que tem morte para todo intervalo de idade.

E há mortes mais sentidas que outras. Isso depende de uma enormidade de fatores em torno de quem parte: por que parte, como parte, e com que idade tá deixando esta vida para trás.

Vou deter-me aqui sobre a morte do humorista Chico Anysio, que se foi aos 80 anos e 345 dias de idade, há exatos 10 anos, numa tarde do dia 23 de março de 2012. Quando Chico morreu eu não pensava assim, mas hoje, é assim que penso: CHICO MORREU NA HORA CERTA!

Chico respirava humor e era genial no humor inigualável que fazia, sempre prezando pelo social; sendo a voz do povo pobre e sofrido deste país chamado Brasil. E você sabe, né?! quando a denúncia é feita com graça, atinge em cheio e melindra o denunciado, para o deleite e felicidade geral de quem sofre com a ação do explorador. Que poder extraordinário tem o humor!

Mas, por que afirmo que o filho de Maranguape partiu na hora certa? Falo isso porque, sendo Chico um ser intenso (e bote intenso nisso!) em tudo que fazia, não consigo visualizar conforto do mestre, diante da onda das redes sociais, onde o FLA x FLU está instalado… e olhe que Chico era doido por futebol, tendo inclusive sonhado um dia “ser craque da pelota ao se tornar rapaz”.

Vamos lá! Peguemos um simples exemplo, elegendo um dos 209 personagens que Chico tinha: Salomé… àquela senhorinha chique de Passo Fundo, RS, que sempre ligava para o presidente de plantão! O primeiro a receber chamadas foi Figueiredo (João Batista de Oliveira Figueiredo), o último presidente do regime militar instalado em 1964: “João Batista… como vai, guri?” Aí, depois veio Sarney, Collor, Fernando Henrique, Lula e Dilma. Dilma, foi a última presidente a atender as ligações da Salomé.

Agora, imagine você, se a gaúcha ainda estivesse por aqui, e ligasse para o “mito”?! E, depois daquela conversa inicial, que sempre era amistosa, viesse, no finalzinho do telefonema a seguinte pergunta: “É verdade que quando vocês estão num restaurante em família, a conta é dividida por todos, ou seja, é bem rachadinha?! Ué! Desligou!!!”

Seria um Deus nos acuda nas redes sociais! Xingamentos etc, coisa e tal!

E isso com certeza tiraria Chico do sério!

Parar de criar e fazer graça, não pararia. Talvez até tentasse se adaptar aos novos tempos; mas, com a impulsividade que tinha de produzir, acredito que a imbecilidade e os comentários sem eira nem beira, o fariam refletir, e talvez, até calar-se!

Chico morreu na hora certa!

Continuar leitura →